relatório de estágio:  o que é e como se faz

 


 

1. Aplique o projeto de intervenção. O relatório de estágio é o terceiro momento de sua atividade de estágio. O primeiro momento é o desenvolvimento do projeto de intervenção. Durante esta etapa, você conheceu a escola, o professor-orientador, as turmas e seus problemas. Por fim, você teve que escolher uma turma (e um problema), que serviram de base para a elaboração do projeto de intervenção. O segundo momento do estágio foi a aplicação do projeto de intervenção. Você foi à sala de aula e assumiu o lugar do professor, deu uma aula, fez uma intervenção. O relatório de estágio - este terceiro momento -  será a análise e a interpretação dos resultados dessa intervenção. Sem que ela tenha ocorrido, você não poderá produzir o relatório de estágio.

 

2. Relate a sua intervenção. Como ocorreu a sua intervenção? O que você planejou fazer (passo a passo)? O que você conseguiu efetivamente fazer? O que aconteceu em sala de aula? O tempo foi suficiente? Você teve que fazer adaptações em relação ao que havia planejado? Quais? Os alunos participaram ativamente de sua intervenção? O que fez o professor responsável pela disciplina? Ficou e m sala? Saiu de sala? Houve alguma interrupção indesejada? Algum problema inesperado? Seja minucioso nesta parte: relate cada momento de sua intervenção e confronte-a com suas expectativas. O importante não é que sua intervenção tenha ocorrido como você planejou, mas que você possa pensar a respeito das razões pelas quais a intervenção acabou sendo um pouco ou muito diferente do planejado.

 

3. Analise sua intervenção. Por que sua intervenção ocorreu do jeito que ocorreu? No que você acertou? No que errou? O que deu certo? O que deu errado? Por quê? Em seu relatório de estágio, você deverá não apenas relatar sua intervenção, mas analisá-la. Será preciso, portanto, antes de começar a redigir o texto, pensar sobre a intervenção. Tentar encontrar as razões pelas quais sua proposta foi bem-sucedida ou fracassou. Se sua proposta fracassou, não fique preocupado. Você não será julgado por isso. O importante - novamente - não é que você acerte, mas que você aprenda. Se for capaz de refletir sobre sua própria prática, e indicar os motivos de seu fracasso, seu relatório tende a ser excelente. Por outro lado, se acha que sua proposta foi bem-sucedida mas não consegue explicar por que motivo, seu relatório correrá o risco de ser vazio, baseado apenas em "achismos" que deveriam ser evitados.

 

4. Interprete os dados. Como resultado de sua intervenção, você deve ter obtido um conjunto razoável de dados. Você aplicou algum teste ao final da intervenção? Os alunos desenvolveram alguma atividade (produziram algum texto, responderam - por escrito -  a alguma pergunta, fizeram algum exercício)? Se sim, você deverá analisar esse material e avaliar o aproveitamento da sala. Caso esta não tenha sido sua opção, ainda assim você terá outros dados a analisar, ainda que mais subjetivos (a reação dos alunos, sua participação, seus comentários, suas intervenções, etc.). Todos esses dados devem ser analisados e interpretados. Você deve procurar fazer sentido dos resultados de sua intervenção. Caso contrário, não encontrará argumentos para avaliar seu desempenho.

 

5.  Fundamente sua análise. O relatório - como o projeto de intervenção - é um texto técnico-científico. Você não pode apenas contar com suas impressões e intuições. Será preciso encontrar também amparo em algumas autoridades no assunto para que suas conclusões sejam consideradas válidas. Nas etapas anteriores, você deve ter concluído que seu projeto deu certo por causa de x e/ou deu errado por causa de y. Para provar que deu certo ou deu errado, ajuntou a análise de alguns dados (resultados) produzidos pelos próprios alunos que participaram da intervenção. Agora, nesta última fase antes da redação do texto, deve encontrar abrigo em alguma teoria que justifique o que você disse. Alguma teoria que afirme, por exemplo, que x e y podem funcionar, efetivamente, como argumentos para o sucesso ou o fracasso das intervenções. Dê uma olhada, por exemplo, nos PCNs para a sua área de formação. Você encontrará neles algumas respostas e algumas indicações que talvez possam ser utilizadas para fundamentar sua análise. Procure a ajuda também do professor-supervisor: se você não estiver conseguindo fundamentar sua análise e suas conclusões, o supervisor poderá ajudá-lo. Mas não deixe nunca de fundamentar seu trabalho: sem fundamentos, o edifício todo desaba ao sopro do primeiro contra-exemplo.

 

6. Redija o relatório. Cumpridas as etapas anteriores, você está pronto para redigir seu relatório. Como no caso do projeto, o relatório tem um formato previamente estipulado. Ele deverá contemplar cinco seções, a saber:

 

a. Introdução. Deixe para fazer a introdução por último. Ela será um texto de natureza meramente indicativa, que dará algumas orientações gerais ao leitor do seu texto. É

 

b. Condições de produção do ensino-aprendizagem de maneira geral. Nesta seção, que também deve ser breve, você deve fornecer as informações sobre a escola que você escolheu para o desenvolvimento do estágio. Trata-se das informações compiladas durante o período da observação, como, por exemplo:

I - as instalações físicas da escola (estado de conservação, número de salas, qualidade do acervo e do acesso à biblioteca, disponibilidade de laboratórios e recursos audiovisuais, etc.);

II - as condições de oferta do ensino (número de vagas, número de alunos, número de professores, número de funcionários, séries abrangidas, turnos de funcionamento da escola, etc.);

III - avaliação quantitativa do ensino (número de alunos por sala, número de professores por aluno, índices de evasão e repetência, etc.);

IV - o perfil sócio-cultural da clientela (faixa etária dos alunos, classe econômica, ocupação, aspirações, hábitos, etc.);

V - o perfil sócio-cultural dos professores (qualificação, regime de dedicação, número de horas-aula, aspirações, hábitos, envolvimento em outras carreiras profissionais, etc.).

Essas informações devem ser apresentadas de forma articulada, de forma a compor o contexto para a elaboração do projeto, para a aplicação da intervenção e para a interpretação dos dados. Devem ser fornecidos apenas os dados que sejam efetivamente relevantes para a análise empreendida. Gráficos e tabelas são muito bem-vindos nesta parte do texto, mas devem ser utilizados com sobriedade, e devem aparecer apenas se se revelarem realmente úteis para o entendimento do que ocorreu em sala de aula.

 

c. Condições de produção do ensino-aprendizagem da disciplina específica. Nesta seção, você deve fornecer os dados sobre a disciplina cujas aulas você freqüentou. Trata-se, novamente, de uma seção breve, em que você informará, por exemplo:

I - o programa da disciplina e sua adequação à proposta curricular em vigor para o estado de São Paulo;

II - a análise do material didático utilizado, com a classificação do livro didático pelo MEC, quando pertinente, bem como seus critérios de escolha e seleção;

III -a observação detalhada de um conjunto expressivo de aulas ministradas pelo professor da disciplina;

III - a análise das estratégias utilizadas pelo professor para o trabalho com tópicos da disciplina e a reação dos alunos à utilização dessas estratégias;

IV - o interesse dos alunos pela área, e seu grau de dedicação às atividades desenvolvidas;

V - o diagnóstico, comprovado, de alguns dos principais problemas dos alunos relativos à disciplina observada.

Como no caso anterior, essas informações devem ser apresentadas de forma articulada, formando um texto (e não uma lista de tópicos), e devem aparecer apenas se relevantes para o entendimento das razões do projeto e dos resultados da intervenção.

 

d. Atividade de regência. Esta será a parte mais longa (e mais importante) de seu relatório de estágio. Ela deve conter obrigatoriamente:

     d1. Um resumo (rápida apresentação) do projeto de intervenção, seu problema, seus objetivos, sua metodologia;

     d2. O relato (detalhado) da intervenção propriamente dita (o que ocorreu em sala de aula, passo a passo, momento a momento, etapa a etapa, durante a aplicação do projeto);

     d3. A  descrição minuciosa e a análise pormenorizada dos resultados obtidos (ou seja, a análise do material produzido pelos alunos durante a intervenção, ou de suas reações à proposta). Esta descrição deve trazer o maior número possível de exemplos e ilustrações, que possam comprovar realmente as observações realizadas;

    d4. A interpretação dos dados (ou seja, a avaliação da proposta). Deu certo? Deu errado? Por quê? Trata-se, pois, da consideração  dos objetivos propostos: foram alcançados? em que medida? por quê?

Essas informações devem estar - mais uma vez - articuladas, de forma a compor um texto, que possa dar ao leitor o conhecimento exato do que se passou em sala de aula e de suas implicações para a formação escolar dos alunos que participaram da intervenção. Trata-se, como se disse acima, da parte mais importante e mais substantiva do relatório, aquela que confirmará se o aluno foi capaz ou não de refletir sobre sua própria prática de ensino.

 

e. Conclusões. Nesta última seção, das conclusões, os alunos devem procurar encontrar, em teorias consolidadas, fundamento para a análise empreendida na seção anterior. Ou seja, é a seção que permitirá, ao aluno, a generalização das observações feitas, de forma muito particular, para sua própria intervenção. Os dados da intervenção do aluno devem ser utilizados ou a) como elemento corroborador (reforçador), ou b) como contra-exemplo (elemento, portanto, infirmador) de alguma teoria específica de ensino-aprendizagem de sua área de formação. Sem esta confrontação, a experiência resta muito localizada, sem alcance que ultrapasse a própria intervenção realizada.

 

7. Formate o texto. Uma vez redigidas as partes internas do relatório, é hora de se preocupar com a parte externa, isto é, a formatação. O relatório de estágio, como todo texto técnico-científico, acompanha as normas de apresentação dos trabalhos acadêmicos. Caso a comprovação da ocorrência do problema seja feita por meio de textos (inclusive provas) produzidos pelos alunos, anexe-os ao final do relatório. Tenha o cuidado de anexar apenas cópias xerográficas.

 

Não se esqueça de que o relatório:

a) deve ter até 20 páginas de texto, exclusive capa, folha de rosto, sumário, referências bibliográficas e anexos; e

b) como todo texto técnico-científico, deve acompanhar o padrão da norma-culta da língua portuguesa (ou seja, não serão admitidas gírias, expressões de baixo calão e outras construções características do português coloquial).

 

8. Revise o relatório. Antes de entregar o relatório, releia-o com cuidado. Não faça isso imediatamente, logo depois de terminá-lo. Deixe-o "descansar" por dois ou três dias. Esse distanciamento lhe fará bem. Você será capaz de perceber problemas que não conseguia enxergar antes. Verifique, particularmente, se você está atendendo a um dos critérios-chave na construção de textos técnico-científicos, qual seja, a de que o relatório deve ser escrito para um leitor universal (e não apenas para o professor da disciplina), que pode estar muito distante de você e não compartilhar o seu contexto imediato. Ou seja, durante o processo de confecção do relatório, você deve se esforçar ao máximo para que o relatório seja inteligível para alguém que nunca viu antes e que não conhece as condições nas quais o estágio foi realizado.

 

9. Faça uma auto-avaliação do relatório. Os critérios de avaliação dos relatórios são públicos e são apresentados aqui. Antes de entregar o relatório, verifique em que medida ele atende às expectativas. É um exercício interessante, que pode evitar muitos problemas.

 

10. Entregue uma via do Relatório ao supervisor na data estipulada. Serão tolerados atrasos de até 1 (uma) semana na data da entrega, mas os retardatários serão punidos em 25% da nota..

 

11. Entregue outra via do Relatório ao orientador. O orientador terá quinze dias para analisar o Relatório e encaminhar a grade de avaliação ao supervisor. Ele poderá fazê-lo por meio do estagiário, por e-mail ou por correio comum. Se o supervisor não receber a grade de avaliação do orientador até a data estipulada, valerá apenas a nota do professor-supervisor, que será repetida, proporcionalmente, para que possa corresponder também à nota do orientador.

 

12. Não deixe de ver o resultado e consultar o Relatório. Não deixe de verificar sua nota no TIA. Às vezes ocorrem erros na digitação, e é preciso estar atento. Seu relatório será encaminhado ao Núcleo de Estágios Educacionais para que possa ser arquivado.